sábado, 17 de dezembro de 2011

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O que você não vê no MTTV: Tv Centro América não mostra a falta de responsabilidade com o erário público


Tragédia anunciada
Não é o primeiro caso em que o erário sai prejudicado pelas decisões da Secopa-MT. O contribuinte matogrossense já foi lesado em R$ 600 mil em virtude de um projeto fracassado da Secopa-MT de construir um teleférico na Chapada dos Guimarães.

A mesma secretaria está levando o Estado a se endividar em R$ 700 milhões para construir uma linha bilionária de trens de superfície que conta com a reprovação unânime de técnicos em transporte urbano.

O mesmo órgão gastou R$ 74 mil em um cronômetro para contar quanto tempo falta para a Copa, apenas para desativa-lo dois meses depois.

Neste caso das Land Rovers, o desfecho era previsível. A compra foi feita pela extinta Agecopa (uma autarquia criada pelo governo estadual para cuidar das obras da Copa, substituída pela atual Secopa). À época, o então diretor de infraestrutura do órgão, Carlos Brito, que já foi secretário de Segurança Pública do Estado, deu parecer contrário ao negócio. O documento foi ignorado pelo então presidente da Agecopa e atual secretário da Secopa, Éder Moraes.

Em outra operação desastrada da Secopa-MT, a ideia de construir um teleférico na Chapada dos Guimarães acabou em nada, a não ser um prejuízo de R$ 600 mil ao contribuinte de MT. "Não entendi o motivo da aquisição, nem a forma como ela foi feita. A Secretaria de Segurança não foi ouvida, nem o Ministério da Defesa (que deve aprovar a compra de equipamentos de defesa). Foi um negócio aventureiro", resume Brito.
.
Fonte: Uol
.
.